quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Re: Por que nerds não são populares

Paul Graham responde perguntas e comentários sobre seu famoso ensaio. O original está aqui.

Este texto só é inteligível se você tiver lido este outro. Com a palavra, Paul Graham.

Re: Por que nerds não são populares

Muita gente me escerveu comentando " Por que nerds não são populares", e muitos mais parecem estar postando sobre o artigo em vários sites da web. Aqui vão as respostas para alguns pontos que levantaram.


Não era assim na minha escola.

Alguns de meus amigos que frequentavam escolas particulares ou uma das poucas e realmente boas redes de ensino público dizem que as coisas eram diferentes para eles.

O que estou falando neste ensaio é da situação nas escolas públicas secundárias americanas médias. Sinto-me seguro de entender do assunto, porque as frequentei.

O mais assustador é que as escolas que frequentei talvez estivessem acima da média. Meus pais escolheram o subúrbio onde morávamos porque dizia-se que as escolas eram boas. (Enquanto imigrantes recém-chegados da Inglaterra, eles não tinham ideia do quão ruim "boas" significava.)


Eu conheci jovens inteligentes que não eram nerds.

Jovens inteligentes não necessariamente viram nerds. Se você tem boa aparência, é um atleta nato ou irmão de um jovem popular, você automaticamente será popular. Mas a maioria dos garotos populares não ganha este brinde. Eles têm que trabalhar para serem populares. E se você for interessado em, digamos, Física, não terá tempo para tanto.

Também acho que meninas têm menos propensão a virarem nerds do que meninos de mesmo nível intelecutal, possivelmente por serem mais sensíveis às pressões sociais. Na minha escola, pelo menos, as meninas faziam mais esforço para se enquadrarem do que os meninos.


As coisas são diferentes agora. Hoje em dia é maneiro ser um renegado.

Na minha escola, era maneiro ser um certo tipo de renegado, mas não um nerd. Um cara que fosse alto com os ombros largos e se vestisse bizarramente como sinal de rebeldia era maneiro. Um cara que fosse pequeno, com o queixo para dentro e grandes óculos, que se vestia bizarramente porque sua mãe escolheu suas roupas, não era. Imagino que ainda seja assim hoje.


Os cérebros dos jovens inteligentes são diferentes?

Algumas pessoas disseram que talvez haja algo neurologicamente diferente nas pessoas inteligentes, isto é, o motivo para que os garotos inteligentes passem seu tempo lendo livros em vez de conversar com os amigos não é tanto que eles gostem de livros, mas que não gostam de pessoas.

Neste ensaio, propositalmente evitei fazer qualquer afirmação neste sentido; simplesmente disse que eles gostavam mais de uns do que dos outros, sem tentar explicar por quê.

Pela minha experiência, eu diria que, apesar de alguns desses garotos inteligentes poderem ser autistas limítrofes, isto não explica por si só a relação inteligente/nerd, porque há também um bocado de nerds que são bastante comunicativos. De fato, um dos defeitos mais característicos dos nerds é o vício de postar em grupos de notícias.


Os nerds merecem isto.

Outra coisa que várias pessoas disseram é que os nerds merecem ser impopulares por serem tão desagradáveis. Isto costuma ser verdade. O ensaio não era sobre se os nerds merecem ou não serem impopulares, mas por que o são. Certamente, algumas das habilidades sociais que os nerds evitam aprender são habilidades genuinamente desejáveis.

Alguns nerds são insuportáveis na vida adulta adentro. Posso imaginar várias pessoas inteligentes com as quais não aguentaria conversar por mais de dois minutos. Não penso ser bom que as pessoas inteligentes às vezes sejam desagradáveis. Entretanto, sustento minha afirmação de que os nerds jogam um jogo muito mais próximo do que é jogado no mundo real. Você pode ser um completo babaca e ainda assim se sair bem no mundo real.


Nerds são impopulares porque são arrogantes.

A arrogância não deixa os jovens impopulares. Os bons atletas da minha escola eram bastante arrogantes, e ainda assim isto não feriu sua popularidade.


Escolas públicas foram feitas para serem ruins.

Muita gente sugeriu que eu lesse os artigos de John Taylor Gatto, por exemplo suas "Seis Lições sobre o Magistério".

Ronda uma idéia de que as escolas públicas são feitas deliberadamente para criar cabeças-de-vento conformistas. Não acredito nisto. Penso que as escolas públicas são apenas o que se recebe por padrão. Se você constrói um prédio gigante no subúrbio e tranca as crianças lá durante a semana sob os cuidados de uns poucos adultos sobrecarregados e, na maioria, não inspirados, você vai obter cabeças-de-vento conformistas. Não é necessário acrescentar uma conspiração.

Acho que quase tudo que está errado nas escolas pode ser explicado pela falta de qualquer força externa obrigando-as a serem boas. Elas não competem umas com as outras, exceto em esportes (nos quai elas realmente ficam boas). Os pais, apesar de poderem escolher onde morar baseados na qualidade das escolas, nunca procuram exigir mais de uma dada escola. Os departamentos de admissão das faculdades, ao invés de exigir mais das escolas secundárias, compensam ativamente suas falhas; eles esperam menos dos alunos das piores escolas, e fica por isso mesmo. Testes padronizados são elaborados explicitamente (apesar de não terem sucesso) para testar a aptidão, em vez do preparo.

A forma segue a função. Tudo evolui para um formato ditado pelas exigências feitas ali. E ninguém exige das escolas mais do que manter os jovens fora das ruas até que tenham idade para a faculdade. Então é o que elas fazem. Na minha escola, era fácil não aprender nada, mas difícil sair do prédio sem ser pego.


Por que o problema é pior nos Estados Unidos?

Estou apenas especulando aqui, mas acho que pode ser pelas redes de ensino americanas serem descentralizadas. Elas são controladas pelo conselho escolar local, que consiste de vendedores de carros que eram jogadores de football no ensino médio, em vez de um Ministério da Educação nacional, gerido por PhDs.

Não que fosse necessariamente bom para as escolas serem controladas pelo governo federal. Nos EUA, com exceção de umas poucas agências cuidadosamente isoladas, com a NSA e o CDC, pessoas inteligentes relutam em trabalhar para o governo federal. O exemplo das escolas privadas sugere que o melhor plano seria ir na direção contrária, para longe do controle governamental.


E que tal o ensino doméstico?

O ensino doméstico oferece uma solução imediata, mas talvez não seja a melhor. Por que os pais não educam seus filhos em casa durante a faculdade? Por que a faculdade oferece oportunidades que o ensino doméstico não pode imitar? Assim seria com o ensino médio, se fosse feito da maneira correta.


Por que você escreveu isto?

(Normalmente redigido assim: você deve ser um fracassado para ainda sentir rancor do ensino médio.) Eu escrevi isto porque todos os meus amigos estão começando a ter filhos, e nos pegamos imaginando como poderíamos salvá-los dos horrores que enfrentamos na escola.

Então pensei sobre o que eu faria se, sabendo o que sei agora, tivesse que passar pelo ensino médio novamente. No meu ensino médio, as opções eram: ser popular ou ser zoado. Agora eu sei exatamente o que alguém teria que fazer para ser popular. Me peguei pensando: que besteria. Seria como ser um político, fazendo intermináveis horas de corpo-a-corpo para ser bem quisto. Então percebi que, mesmo sabendo exatamente o que fazer para ser popular, eu não conseguiria me obrigar a fazê-lo. Eu iria para a biblioteca, que nem da primeira fez em que fiz o ensino médio.


Como posso ser mais popular na escola?

Você tem certeza de que quer ser? Um dos pontos de Por que nerds não são populares é que os jovens inteligentes não são populares porque não desperdiçam seu tempo com as coisas idiotas que é preciso fazer para ser popular. Você quer começar a fazer coisas idiotas?

Fim

Precisando de tradução? Fale comigo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário